RadioNOS.com - O Melhor em CREATIVE COMMONS Music - O que não se ouve por aí

Janis Joplin – Eterna Little Girl Blue

Resultado de imagem para disco janis joplin forever

No início dos anos 1980, no Brasil, uma propaganda na TV passava o comercial de um disco recém lançado. Os acordes sutis de uma das trilhas, seguidos pela voz quase gutural em outras das músicas, apresentavam “Forever”, coletânea da cantora americana Janis Joplin, falecida uma década antes, e conhecida por ter participado do  festival de Woodstock, por ter tido o seu estilo forte de interpretar, combinado com o ambiente psicodélico do final dos anos ’60 e início dos ’70.

Assistir no YouTube: Janis Joplin – Summertime (Live – 1969)

As duas músicas mostrada na propaganda eram “Summertime”, a mais suave, e a outra, “Ball and Chain”, a mais agressiva. A partir daquele disco, amostragem das melhores execuções daquela tal de Janis, para mim (quem vos posta) começou uma história de admiração póstuma à  interpretação de uma blueswoman branca.

Mas quem foi Janis Joplin, a Little Girl Blue?

Se, você que está lendo este post, for: (1) um fã declarado, provavelmente já passou da casa dos 50’s (‘talvez’ ainda não), leia na sequência aqui apresentada. (2) Se ainda não for, mas quer conhecer somente alguns detalhes da vida da Janis Joplin, também leia na sequência. (3) Gosta de Blues, Jazz, Rock, e quer ampliar seus horizontes históricos, continue aqui, na sequência. (4) Mas se for ‘apenas’ um estudante querendo um resumão para a sua pesquisa, seu lugar é aqui mesmo! Também leia na sequência. E ouça/veja os vídeos de algumas performances da Janis, aqui encapsulados, dentro do contexto mostrado. E depois vejas as referências citadas no fim do post, assista ao Documentário referido (tem no NetFlix!).

Obs.: com o tempo iremos corrigindo o post, no que for necessário, e dando os justos créditos às fotos.

 Janis Joplin, em poucas palavras

Janis Joplin foi um influente e meteórico acontecimento da música pop americana dos anos ’60. Seu estilo cru de cantar, poderoso e desinibido, combinado com seu estilo de vida turbulento e emocional, fez dela uma das maiores estrelas femininas naqueles anos, e ainda atualmente, anos após a sua morte, é difícil encontrar alguma referências que a sobreponha nesses quesitos supracitados.

Janis ganhou fama em 1967 durante uma aparição no Festival Pop de Monterey, como vocalista de uma então pouco conhecida banda de rock psicodélico de São Francisco, a “Big Brother & Holding Company”. Depois de lançar dois álbuns com a banda, deixou a Big Brother para continuar como artista solo com seus próprios grupos de apoio, primeiro a “Kozmic Blues Band” e depois a “Full Tilt Boogie Band”. Ela também participou do festival de Woodstock e no Festival Express train tour.

Joplin era bem conhecida por sua capacidade de execução. Nas suas apresentações os críticos se referiam a sua presença no palco como “elétrica”. A revista Rolling Stone a incluiu em sua lista dos 100 maiores artistas de todos os tempos, e depois já atualizou o seu lugar no ranking, para entre os 50 maiores. Os seus discos continuam a fazer parte da lista dos mais vendidos nos Estados Unidos, com mais 15,5 milhões de álbuns.

Em sua curta carreira e vida, participou de apenas três álbuns lançados. No auge de sua carreira, morreu de uma overdose acidental de drogas, em 04 de outubro de 1970, aos 27 anos, em Los Angeles. Um quarto álbum, Pearl, foi lançado pouco mais de três meses após sua morte.

E em muitas palavras? Teremos que retornar algumas décadas para tentar entendê-la…

Familia, infância e adolescência

Janis Lyn Joplin nasceu em Port Arthur, Texas, em 19 de janeiro de 1943 (filha de Dorothy Bonita East e Seth Ward Joplin). Desde cedo os Joplins sentiram que Janis precisava de mais atenção do que seus outros filhos, Laura e Michael. Como adolescente, Joplin fez amizade com um grupo de garotos de má fama na cidade, e de um deles ganhou alguns álbuns das artistas de blues Bessie Smith, Ma Rainey e Lead Belly, a quem Joplin mais tarde creditou influenciar sua decisão de se tornar uma cantora.

Ela começou a cantar o blues e a música folk com esses amigos. Sobre o período que estudou na Escola Secundária Thomas Jefferson (Thomas Jefferson High School), ela declarou que os outros colega a evitavam: “Eu era uma inadaptada, eu gostava de pintura, eu gostava de ler, eu não odiava negros.”. Durante a adolescência ela ficou acima do peso, e tinha problemas de acne que a deixou com cicatrizes no rosto. Outras crianças na escola secundária rotineiramente a tratavam com desprezo, chamando-a de “estranha”, “amante de negros”, “biruta”, entre entre outros xingamentos.

Joplin graduou-se da High School em 1960 e foi para a faculdade Lamar State College of Technology em Beaumont, Texas, e mais tarde para a University of Texas em Austin (UT), embora depois não houvesse concluído nenhum curso superior. O jornal do campus, The Daily Texan, publicou um perfil dela na edição de 27 de julho de 1962, intitulada “Ela ousa ser diferente”.

O artigo começou: “Ela anda descalça quando sente vontade, usa calças jeans nas aulas, porque eles são mais confortáveis, e carrega seu instrumento, uma auto-harpa (Autoharp), com ela em todos os lugares, caso tenha vontade de cantar algo. Seu nome é Janis Joplin “. Enquano estava na Universidade do Texas, ela se juntou em apresentações com um trio folk chamado “Waller Boys”, e sempre era vista com o pessoal de uma revista de humor que era publicada no campus, a “The Texas Ranger”.

E sua vida pessoal ?

Cultivando uma vida de rebeldia, Joplin atribuía o seu estilo particular de vida, em parte, às mulheres negras cantoras de blues, às quais tinha verdadeira devoção, e em parte também, aos poetas “beats” da sua época. Sua primeira música gravada em uma fita, na casa de um colega da Universidade do Texas, em dezembro de 1962, foi “What Good Can Drinkin ‘Do” (algo como “De que adianta beber?”).

Assistir no YouTube: What Good Can Drinkin’ Do – 1962 – Young Janis Joplin

Ela deixou o Texas em janeiro de 1963 (“apenas para fugir”, disse ela, “porque minha cabeça estava em um lugar muito diferente”), mudando-se para North Beach, San Francisco e mais tarde Haight-Ashbury. Em 1964, Joplin e Jorma Kaukonen, futuro guitarrista do “Jefferson Airplane”, gravou uma sessão com sete faixas de blues, que mais tarde foi lançado como o álbum não oficial “The Typewriter Tape”. Nesse período, o uso de drogas de Joplin aumentou e ela adquiriu a reputação de agitada e usuária ocasional de heroína. Ao longo de sua carreira ela também usou outras drogas psicoativas, além de consumidora inveterada de bebida alcoólica.

Assistir no YouTube: Jorma Kaukonen and Janis Joplin! – The Typewriter Tape

No início de 1965, os amigos de Joplin em São Francisco, percebendo os efeitos negativos das drogas sobre ela, a persuadiram a retornar a Port Arthur, no Texas. Em maio de 1965, seus amigos fizeram uma festa num ônibus para que ela pudesse voltar para casa. Cinco anos depois, Joplin disse ao escritor da revista Rolling Stone, David Dalton, acerca do seu primeiro período em San Francisco: “Eu não tinha muitos amigos e não gostava dos que eu tinha”.

De volta a Port Arthur na primavera de 1965, Joplin mudou seu estilo de vida. Ela evitava drogas e álcool, adotou um penteado comportado da época, e se matriculou como especialista em antropologia na Universidade Lamar, em Beaumont, Texas.

Nessa época, ia a Austin para apresentações solo, com guitarra. Uma de suas apresentações foi em benefício de músicos locais, como para o bluesman, do Texas, Mance Lipscomb, que estava sofrendo de grandes problemas de saúde.

Janis se tornou noiva de Peter de Blanc no outono de 1965, um cara que ela conheceu quando morou pela primeira vez em San Francisco. Ele morava em Nova Iorque, onde trabalhava na IBM. Ele chegou a pedir ao pai de Janis a sua mão em casamento. Mas pelo jeitão da figura, ele não tinha nada a ver com a verdadeira Janis Joplin…

Mas, quando Joplin e sua mãe começaram a planejar o casamento, De Blanc, que ainda morava em Nova Iorque, cancelou os planos para casamento logo depois. Como se diz: “Correu do pau!”, mas por um motivo meio óbvio: aparentemente tinha outra família já encomendada onde morava. Muito provavelmente este fato a marcou pelo resto de sua vida, sentimento expressado em suas músicas e maneira de cantar.

Início profissional: ‘Big Brother and the Holding Company’ band

Em 1966, o estilo vocal bluesy de Janis atraiu a atenção da banda de rock psicodélico Big Brother and the Holding Company, uma banda que ganhou notoriedade entre a comunidade hippie nascente em Haight-Ashbury. Ela foi recrutada para se juntar ao grupo por Chet Helms, um promotor que a conhecia no Texas e que na época estava gerenciando Big Brother. Helms a trouxe de volta a São Francisco e Joplin se juntou ao Big Brother em 4 de junho de 1966. Seu primeiro desempenho público com eles foi no Avalon Ballroom em San Francisco.

Assistir no YouTube: Janis Joplin – Ball and Chain

O álbum de estúdio de estreia da banda, Big Brother & the Holding Company, foi lançado pela Mainstream Records em agosto de 1967, logo após a aparição do grupo em junho no Monterey Pop Festival.

Para sua primeira grande gravação de estúdio, Janis desempenhou um papel importante no arranjo e produção das gravações que se tornariam o segundo álbum da Big Brother, o “Cheap Thrills”. Durante a gravação, Joplin sempre era a primeira pessoa a chegar no estúdio e a última a sair. Filmes de Joplin e da banda no estúdio mostra Joplin em grande forma ao assumir o controle durante a gravação de “Summertime”.

Curiosidade: o álbum apresentou um desenho de capa pelo cartunista da contracultura Robert Crumb, criador do Mr.Natural e Fritz the cat. Os antenados saberão de quem se trata.

Carreira solo: Kosmic Blues Band

Depois de se separar da Big Brother and The Holding Company, Joplin formou um novo grupo de apoio, o Kozmic Blues Band, composto por músicos como o tecladista Stephen Ryder e o saxofonista Cornelius “Snooky” Flowers, além do ora guitarrista da Big Brother, Sam Andrew e futuro baixista do “Full Tilt Boogie Band”, Brad Campbell.

As aparições de Joplin com o Kozmic Blues Band na Europa foram mostradas nos cinemas, em vários documentários. Depois de aparecer na televisão alemã, a Kozmic Blues Band tocou em vários programas de televisão americanos com Joplin.

Assistir no YouTube – Janis Joplin – Maybe

Presença no festival Woodstock

Janis informou à sua banda que eles estariam se apresentando no concerto como se fosse apenas mais um show qualquer. Na tarde de sábado, quando ela e a banda foram levados de helicóptero com a grávida Joan Baez e a mãe de Baez, de um motel próximo para o local do festival, Janis viu a enorme multidão, ela instantaneamente ficou incrivelmente nervosa e atordoada.

Joplin se apresentou em Woodstock aproximadamente às 2:00 da manhã, no domingo, agosto 17, 1969. Ela cantou em seguida do grupo Creedence Clearwater Revival. Apesar de ela, segundo notícias, nem mesmo saber da existência do festival até alguns dias antes, os promotores de Woodstock anunciaram-na como uma das principais atrações do concerto histórico.

Ao pousar e descer do helicóptero, ela foi abordado por repórteres fazendo-lhe perguntas. Inicialmente ansiosa para entrar no palco e cantar, mas ela foi sendo deliberadamente atrasada, pois outras bandas menos conhecidas foram contratualmente obrigados a executar antes dela.

Diante de uma espera de dez horas depois de chegar à área dos bastidores, ela começou a se drogar e consumir bebida alcoólica, até chegar a hora de ir ao palco, quando estava visivelmente bêbada. Durante sua apresentação, sua voz tornou-se ligeiramente rouca e ofegante, e ela teve dificuldade para dançar.

Janis permaneceu no local do festival nos demais dias. Fotografias em cores a mostram nos bastidores no dia seguinte, onde parece estar muito feliz. No entanto, ela ficou infeliz com seu desempenho. Seu canto não foi incluído (por sua própria insistência) no documentário de 1970 ou na trilha sonora do festival, embora no especial do diretor, nos 25 anos de Woodstock, foi incluída sua performance de “Work Me, Lord”.

Assistir no YouTube: Janis Joplin, Work me lord, Woodstock

O filme documentário do festival que foi lançado nos cinemas em 1970 inclui, no lado esquerdo de uma tela dividida, 37 segundos de filmagem dela caminhando em direção a tenda de seu camarim.

 

Férias no Brasil!!

Em fevereiro de 1970, Janis viajou para o Brasil. Ela decidiu curtir umas férias, acompanhada por sua amiga Linda Gravenites, que tinha desenhado os trajes de palco para ela, de 1967 a 1969.

No Brasil, Janis conheceu e teve um romance com um turista americano chamado David (George) Niehaus, que estava ‘viajando ao redor do mundo’. Uma biografia de Joplin, escrita por sua irmã Laura, disse: “David era um garoto de classe média alta de Cincinnati que estudara comunicação em Notre Dame … [e] havia se juntado ao Peace Corps depois da faculdade e trabalhava em uma pequena aldeia na Turquia … Ele tentou fazer faculdade de Direito, mas quando conheceu Janis, estava tirando folga. ”

Niehaus e Joplin foram fotografados pela imprensa no Carnaval do Rio, no Rio de Janeiro. Gravenites também levou fotografias coloridas dos dois durante suas férias brasileiras. De acordo com o biógrafo de Joplin, Ellis Amburn, nos instantâneos de Gravenites eles “parecem um jovem casal despreocupado, feliz e saudável, tendo um tempo tremendamente bom.”.

A revista Rolling Stone entrevistou Joplin durante um telefonema internacional, citando-a: “Estou entrando na selva com um grande urso de um beatnik chamado David Niehaus. Finalmente me lembrei de que não precisava estar no palco doze meses por ano. Eu decidi ir cavar algumas outras selvas por um par de semanas.”. Enquanto estava no Brasil, Janis estava tentando largar a heroína, incetivada pelo, ora namorado, ‘George’, que não usava drogas.

A cantora americana havia passado como um furacão pelo Rio. Fez topless em Ipanema e foi expulsa do Copacabana Palace por nadar nua na piscina (Como se diz no Ceará, “botou boneco” verdadeiramente). Depois do fuzuê na capital carioca, ela queria ficar longe daquilo tudo e recebeu a indicação de um amigo local para conhecer Salvador, na Bahia, e ficar na casa de um amigo do primeiro.

Arquivo pessoal/ Lula Martins

Ao chegar a Salvador, a interação foi imediata e a cantora e o namorado acabaram hospedados na casa do artista plástico Luís Martins, o Lula, na praia do Rio Vermelho. “Foram quatro dias mágicos, que mudaram minha vida”, disse Lula numa entrevista ao jornal Correio da Bahia, em 2009 (na época da reportagem ele já morava em Ibiza, na Espanha). Conforme os anfitriões, para a sorte de todos, ninguém reconhecia Janis nas ruas. Numa das baladas, os novos amigos e ela chegaram a entrar “acidentalmente” num bordel numa das ladeiras da capital baiana, onde Janis até deu uma canja de “Summertime”.

Arquivo pessoal/ Lula Martins

Retorno ao EUA – Drogas

Mas Janis começou a usar heroína novamente quando voltou aos Estados Unidos. Seu relacionamento com Niehaus logo terminou porque ele a flagrou usando drogas em sua nova casa em Larkspur, Califórnia, além do ainda relacionamento romântico com Peggy Caserta, que também era um viciado endovenoso, e a recusa de Joplin a deixar o trabalho de artista por algum tempo, e viajar o mundo com ele. Nessa época ela formou sua nova banda, Full Tilt Boogie Band. A banda era composta principalmente de jovens músicos canadenses.

 

Nova banda: Full Tilt Boogie Band

No início de 1970, Janis assumiu um papel mais ativo na montagem da Full Tilt Boogie Band do que quando fez com o seu grupo anterior. Ela foi citada como dizendo, “É a minha banda. Finalmente é a minha banda!”. A Full Tilt Boogie Band começou a fazer turnês em maio de 1970. Joplin permaneceu bastante feliz com seu novo grupo, que recebeu principalmente o feedback positivo de seus fãs e os críticos.

Foi nessa época que Janis começou a usar boas de penas multicoloridas em seus cabelos. No momento em que começou a fazer turnês com a Full Tilt Boogie, ela disse às pessoas que estava livre de drogas. Mas o seu consumo de bebida aumentou…

Últimas aparições públicas

Entre as últimas aparições públicas de Janis Joplin estavam duas transmissões de The Dick Cavett Show. Em sua aparição de 25 de junho de 1970, ela anunciou que iria participar de sua reunião de comemoração de dez anos de turma da sua antiga escola secundária. Quando perguntada se ela tinha sido popular na escola, ela admitiu que quando na escola, seus colegas de escola “riam de mim fora da classe, fora da cidade e fora do estado.”.

Em 8 de agosto, Joplin se apresentou no Capitol Theatre, em Port Chester, Nova York. Foi lá que ela cantou pela primeira vez “Mercedes Benz”, canção que ela escreveu naquele dia no bar ao lado. A última apresentação pública de Joplin com a Full Tilt Boogie Band ocorreu em 12 de agosto de 1970, no Harvard Stadium, em Boston. O jornal Harvard Crimson elogiou o seu desempenho na primeira página, apesar do fato de que a Full Tilt Boogie haver se apresentado com amplificadores improvisados ​​depois que seu equipamento de som regular foi roubado em Boston.

No dia 14 de agosto, Janis foi assistir a sua reunião da High School, acompanhada pelo músico companheiro e amigo Bob Neuwirth, o seu gerente John Cooke, e a sua irmã Laura. Mas foi supostamente uma experiência infeliz para ela. Numa entrevista, em Port Arthur, durante sua visita da reunião, quando perguntada por um repórter se ela alguma vez se divertiu na Escola Secundária Thomas Jefferson quando ela era estudante lá, Janis respondeu: “Somente quando eu andava pelos corredores”: ela abertamente falou mal de seus colegas que a haviam humilhado uma década antes.

Pearl

Durante o final de agosto, setembro e início de outubro de 1970, Janis e sua banda começaram os ensaios e gravações para o seu novo álbum que seria lançado, em Los Angeles, com o produtor Paul A. Rothchild.

Mas Janis veio a falecer antes que todas as faixas fossem completamente concluídas.

Apesar da morte inesperada (!) de Janis,  havia bastante material utilizável para compilar um LP. O resultado das sessões foi o lançamento póstumo de Pearl (1971), que se tornou o álbum mais vendido de sua carreira, onde foi incluído o seu maior hit single, “Me e Bobby McGee”, uma composição de Kris Kristofferson, que fora seu namorado.

Assistir no YouTube: Janis Joplin – Me and Bobby McGee

A trilha inicial, “Move Over”, foi escrita por Joplin, refletindo o modo como ela se sentia quando os homens tratavam as mulheres nos relacionamentos. Também foi incluído “Mercedes Benz”, canção escrita por Janis, Bob Neuwirth, e o poeta beat Michael McClure. A faixa do álbum apresenta a primeira e única tomada que Joplin gravou. Foi então incluída sem instrumental. Um clássico!

Assistir no YouTube: Janis Joplin – Mercedes Benz

A faixa “Buried Alive in the Blues”, para a qual Joplin tinha programado adicionar seus vocais no dia em que foi encontrada morta, foi incluída como instrumental.

Em 2003, Pearl foi classificado pela revista Rolling Stone como um dos 500 maiores álbuns de todos os tempos.

O Adeus

Em 4 de outubro de 1970, o produtor Paul Rothchild ficou preocupado quando Janis não apareceu no Sunset Sound Recorders para uma sessão de gravação. O gerente de estrada da Full Tilt Boogie, John Cooke, dirigiu até o Landmark Motor Hotel em Hollywood, onde Joplin estava hospedado. Ele viu o Porsche 356 C Cabriolet, pintado psicodélicamente, de Janis no estacionamento. Ao entrar no quarto de Joplin, ele a encontrou morta no chão ao lado de sua cama. A causa oficial da morte foi uma overdose de heroína, possivelmente composta de álcool.

A morte de Janis Joplin, em outubro de 1970, aos 27 anos, surpreendeu seus fãs e chocou o mundo da música, especialmente quando combinado com a morte de apenas 16 dias antes de outro ícone do rock, Jimi Hendrix, também aos 27 anos.

No Festival de Jazz de Montreux em 1976, Nina Simone, a quem Janis admirava muito, comentou sobre Joplin, referindo-se ao documentário Janis (1975) que evidentemente foi exibido no festival: “Você sabe que eu fiz trinta e cinco álbuns, eles contrabandearam setenta. Todos tomaram um pedaço de mim. E ontem eu fui ver o filme de Janis Joplin aqui. Aflita, e eu comecei a escrever uma canção sobre isso, mas eu decidi que vocês não eram dignos. Porque eu percebi que a maioria de vocês está aqui para o festival. Enfim o ponto é que me doeu ver como ela trabalhou duro. Porque ela ficou viciada em uma coisa, e não era sobre drogas. Ela ficou viciada em um sentimento e ela jogou para cadáveres”.

Simone também incluiu Joplin em sua canção “Stars”, e abriu seu ato com uma interpretação de “Little Girl Blue”.

Então…

Esta foi a curta história da Little Girl Blue… Sem julgamentos.

Assistir no YouTube: Janis Joplin – Little Girl Blue

Discografia

Janis Joplin gravou quatro álbuns em sua carreira de quatro anos:

Big Brother and the Holding Company (1967)

Cheap Thrills (1968)


I Got Dem Ol’ Kozmic Blues Again Mama! (1969)


Pearl (1971)

Os dois primeiros álbuns foram gravados e creditados ao Big Brother and The Holding Company; Os dois últimos foram gravados respectivamente com as bandas de apoio Kozmic Blues e Full Tilt Boogie e lançados como álbuns solo. Outros materiais gravados em estúdio ao vivo, incluindo ensaios com suas músicas, foram liberados em diversas compilações póstumas.

Alguns dos concertos ao vivo de Joplin com o Big Brother foram gravados profissionalmente e foram lançados em álbuns como Live at Winterland ’68 e Live at the Carousel Ballroom 1968.

Albuns póstumos

Box Of Pearls (Remastered)

Box Of Pearls (Remastered) – 2005

Essential Janis Joplin (Remastered)

The Essential Janis Joplin – 2003

Love, Janis

Love, Janis – 2001

18 Essencial Songs

18 Essential Songs – 2001

Janis Joplin Live At Winterland '68

Janis Joplin Live At Winterland ’68 – 1998

Farewell Song

Farewell Song – 1982

Resultado de imagem para disco janis joplin forever

Forever – 1982

Anthology

Anthology – 1980

Janis

Janis – 1975

Janis Joplin's Greatest Hits

Janis Joplin’s Greatest Hits – 1973

In Concert

In Concert – 1972

Consultas, referências, transcrições e influências para este post

TSHA – Texas State Historical Association;

Janis Joplin Oficial;

Revista Rolling Stone;

Jornal Correio da Bahia;

Wikipedia;

Documentário: Janis: Little Girl Blue;

Meus discos; e

A Internet como um todo.

 

Deixe uma resposta

Comente utilizando sua conta do Facebook